Endereço

Rua Pernambuco, 1002 - Sala 601
Savassi | CEP 30130-151
Belo Horizonte, MG
Tel.: 3261 8282 - 3262-4130/0876
sdamg@sdamg.com.br


Clique aqui para acessar a Intranet

Notícias

voltar        

Importações já respondem por 60% do consumo



 

As máquinas e equipamentos importados já respondem por aproximadamente 60% do consumo brasileiro. O cenário preocupa o setor, que registrou déficit recorde de US$ 5,5 bilhões na balança comercial do primeiro quadrimestre, na comparação com o mesmo intervalo de 2010.

"Se forem mantidos as taxas de juros e o câmbio, seremos meros prestadores de serviços nos próximos quatro ou cinco anos", alertou ontem o presidente da Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Luiz Aubert Neto, durante a divulgação dos resultados do setor no primeiro quadrimestre de 2011. As projeções do segmento apontam para um déficit entre US$ 16 bilhões e US$ 17 bilhões em 2011, o que deverá ser um resultado recorde.

As previsões negativas se devem ao aumento das compras externas. No primeiro quadrimestre foi verificado incremento de 32,5% nos desembarques de bens de capital no país em relação ao mesmo intervalo de 2010. No acumulado dos primeiros quatro meses deste ano, as importações movimentaram US$ 8,926 bilhões, contra US$ 6,734 bilhões no exercício passado. "As importações no Brasil ocorrem em um processo acelerado", disse Aubert Neto.

Em relação à receita, os Estados Unidos (US$ 2,279 bilhões) foram os principais exportadores de bens de capital para o Brasil no primeiro quadrimestre. "Mas em quantidade a China já responde pela maior parte das importações", explicou. O país asiático é o segundo do ranking e movimentou US$ 1,236 bilhões. Conforme ele, a diferença entre os dois maiores vendedores está no preço. Uma máquina chinesa custa até três vezes menos do que uma produzida por fabricantes norte-americanos.

O avanço chinês preocupa o setor. O país respondia por apenas 2,1% das importações brasileiras há sete anos e hoje é responsável por 13,9%. Para o presidente da Abimaq, a China deverá, no médio prazo, ser a principal exportadora para o Brasil, tanto em receita quanto em quantidade.


Balanço - Os resultados da indústria de máquinas e equipamentos ainda estão abaixo dos registrados no período pré-crise, apesar de verificar incremento de 7,1% no faturamento no primeiro quadrimestre ante o mesmo intervalo do ano passado.

Em menor proporção, as exportações de bens de capital também subiram no primeiro quadrimestre. Os embarques somaram US$ 3,409 bilhões, ante US$ 2,599 bilhões nos primeiros quatro meses de 2010. O resultado representa crescimento de 31,2% no período.

Ainda de acordo com o balanço divulgado pela Abimaq, entre janeiro e abril o setor faturou R$ 24,538 bilhões. O resultado representa elevação de 7,1% na comparação com o primeiro quadrimestre de 2010.

Somente em abril, o segmento faturou R$ 6,367 bilhões, o que representa alta de 17,2% em relação ao mesmo intervalo de 2010. Já na comparação com o mês imediatamente anterior foi verificada redução de 10,4% no faturamento do setor de máquinas e equipamentos.




Fonte: Diário do Comercio 26/05/2011
Animatto Webcom