Endereço

Rua Pernambuco, 1002 - Sala 601
Savassi | CEP 30130-151
Belo Horizonte, MG
Tel.: 3261 8282 - 3262-4130/0876
sdamg@sdamg.com.br


Clique aqui para acessar a Intranet

Notícias

voltar        

Exportador vê novo cenário com cautela




Rio de Janeiro - Em alta por conta do recrudescimento da crise europeia, a valorização do dólar, que chegou a R$ 2, não equaciona o problema da competitividade das exportações de produtos industriais brasileiros, segundo o presidente da Associação Brasileira de Comércio Exterior (AEB),

José Augusto de Castro. "Não dá para comemorar ainda. Não sabemos se o dólar a R$ 2 vai se transformar num novo patamar", disse o executivo, que participou ontem da 24ª edição do Fórum Nacional, no Rio.
Para Castro, o "câmbio de equilíbrio" é de R$ 2,20. Nesse nível, diz, o país retomaria o espaço perdido nos mercados internacionais. Um exemplo, afirma, seria a maior penetração de produtos brasileiros de ramos como autopeças, têxteis e calçados em países como Estados Unidos, que já foi destino de 25% das exportações brasileiras há uma década e hoje absorve cerca de 10%.

Segundo o presidente da AEB, o dólar na casa dos R$ 2 "é virtual", já que reflete apenas uma piora das expectativas e das incertezas em relação à crise da Europa e a um eventual calote da Grécia.

O presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), Humberto Barbato, diz, porém, que a ação constante do governo para "enxugar o excesso" de moeda estrangeira no mercado tem surtido efeito e ajuda a melhorar a competitividade da indústria, permitindo um melhor equilíbrio entre produção e consumo.

O executivo afirma, entretanto, que o "câmbio de equilíbrio" está entre R$ 2,10 e R$ 2,20. Para Barbato, a valorização do real não vai resultar em inflação mais alta porque muitos produtos com cotações internacionais que poderiam ser afetados estão em queda no mercado externo.

O executivo elogia as medidas do governo Dilma Rousseff no âmbito da política industrial, como a desoneração da folha de pagamento para alguns setores e o barateamento do crédito estatal. "Em oito anos, o governo Lula não fez nada. Lançou dois planos de estímulo ao investimento e à indústria que não tiveram eficácia nenhuma. A Dilma foca setor a setor."

Já o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, critica a elevada carga tributária e o "engessamento" do orçamento dos governos, que obriga estados e União a aumentarem impostos. "A única saída é cortar gastos. Sem isso, não vamos a lugar nenhum", defende.




Fonte: DIÁRIO DO COMÉRCIO. (FP)
Animatto Webcom